The Lantern – um lar para pessoas com demência muito especial

Em Ohio, nos EUA, existe um lar de idosos que foi construído a pensar nas características das pessoas com demência e doença de Alzheimer. Os espaços comuns e os corredores dos quartos de Lantern of Saybrook foram desenhados de forma a que se parecessem com alpendres de pequenas casas. Mesmo estando no interior do lar, temos a sensação que estamos a percorrer uma pequena vila, com espaços verdes para passear, bancos de jardim para descansar e onde até podemos ver uma pequena cascata. No tecto (pintado de azul para se parecer com o céu) vêem-se luzes que se ajustam consoante as horas. À noite, as luzes dos candeeiros “de rua” acendem-se.

[slideshow_deploy id=’3967′]

 “Todas as pequenas coisas que vêem, as cores das paredes, o tipo de tinta, na verdade têm um benefício e um valor terapêutico refere Jean Makesh, Terapeuta Ocupacional e CEO do lar. Existe um som de fundo que se assemelha a pássaros a chilrear e é possível sentir aromas como menta ou incenso, que têm um efeito calmante.

A ideia de construir um lar com este tipo de características surgiu quando Makesh aprendeu que ambientes controlados podem ajudar a reduzir a raiva, a ansiedade e a depressão nas pessoas com demência. Os utentes deste lar têm sessões diárias onde reaprendem a desempenhar actividades da vida diária de forma autónoma, como por exemplo o vestir.

“Ainda que esta doença neurodegenerativa afecte a memória mais recente, as pessoas com Alzheimer, normalmente, retêm memórias de quando eram mais novos. Eu levo-os de volta a essas memórias. Eu criei uma cápsula do tempo. Isso permite que eles se envolvam e compreendam tudo o que os rodeia”, refere Makesh.

O CEO espera que, com esta abordagem, os terapeutas ocupacionais como ele, juntamente com outros profissionais como fisioterapeutas, terapeutas da fala e psicólogos, sejam capazes de atrasar a evolução da doença. Makesh está confiante que ele e a sua equipa, em 10 anos, descobrirão uma forma que permitirá aos seus utentes regressarem às suas próprias casas. “Já existem utentes que reaprenderam a tomar banho e a vestir-se sozinhos”, refere o terapeuta ocupacional.

Conheça as instalações deste lar que foi pensado ao pormenor.

Saiba mais sobre o lar  aqui – Lantern of Saybrook.

A promoção de desempenhos e do envolvimento das pessoas nas actividades do dia-a-dia, são alguns dos objectivos dos terapeutas ocupacionais aquando da sua intervenção.

Tem um familiar que já não é capaz de realizar aquilo que deseja e/ou necessita fazer? Nós podemos ajudar, saiba como aqui – Terapia Ocupacional ao domicílio.

Leave a Comment

Partilhe :)