Envelhecer em casa – a propósito do novo estatuto do cuidador

O governo anunciou recentemente que está a preparar uma lei para proteger os cuidadores informais, fornecendo uma série de garantias e direitos para o familiar que cuida de um idoso dependente. A notícia reacendeu o debate sobre os benefícios do envelhecimento em casa e os direitos das pessoas idosas a uma vida autónoma e/ou independente, áreas onde a terapia ocupacional tem um importante papel a desempenhar. 

Como afirmou Manuel Lopes, coordenador da reforma do Serviço Nacional de Saúde na Área dos Cuidados Continuados Integrados, em entrevista à TSF, está provado que ficar em casa, com os cuidados correctos, é quase sempre a melhor solução para um idoso.

De facto, a adaptação do ambiente domiciliar e a prestação de serviços nesse contexto permite aos usuários uma maior autonomia na medida que estes têm oportunidade de escolher o apoio de que necessitam, o número de horas e respectivo horário da prestação de cuidados e, inclusive, seleccionar os profissionais e técnicos que vão prestar esses cuidados; ao contrário do que sucede nas diversas instituições, mesmo as de maior qualidade e reputação, onde a liberdade para tomar decisões é quase (ou até mesmo) inexistente.

A tendência para o envelhecimento em casa (aging in place) é aliás já uma realidade nos países mais desenvolvidos, onde se está a tornar cada vez mais comum a preparação antecipada das casas para a idade da reforma, tendo em conta os obstáculos e limitações que a idade ou a existência de doença podem tornar relevantes.

No domicílio, com terapia ocupacional

collage

Neste contexto, a profissão de terapeuta ocupacional começa a ganhar, também em Portugal, uma considerável visibilidade.

Primeiro, porque estes profissionais estão habilitados a avaliar as casas, identificando os riscos e obstáculos e recomendado as adaptações mais adequadas à pessoa em questão, tendo em conta as suas características físicas, ocupacionais e até sociais, os seus hábitos, personalidade, competências e limitações.

Depois, porque  nos contextos do domicílio os terapeutas ocupacionais podem testemunhar em primeira mão as dificuldades sentidas no desempenho das actividades da vida diária. Entrar e sair da cama, subir e descer escadas, fazer a própria higiene, vestir-se e despir-se, preparar e tomar alimentos, fazer tarefas domésticas, ir à loja ou à igreja, são apenas alguns exemplos. A observação directa desta dificuldade pelo terapeuta ocupacional facilita o aconselhamento e permite o treino de estratégias, adaptações ou equipamentos a adoptar que permitirão à pessoa idosa recuperar autonomia e aumentar a qualidade de vida. Mas sobretudo o terapeuta ocupacional é o profissional que ajuda a melhorar as suas competências, contribuindo activamente para a sua capacitação nas diversas actividades, logo, para a sua crescente autonomia e/ou independência.

O trabalho com a pessoa idosa

Após uma cuidada avaliação do seu perfil ocupacional e dos objectivos que se pretendem atingir, o terapeuta ocupacional delineia uma estratégica terapêutica que é discutida com a pessoa e, se for caso disso, com os seus familiares e outros cuidadores.

Consoante os casos, as abordagens poderão variar entre diversos tipos de treinos, quer físicos quer cognitivos quer sociais, que permitam desenvolver as capacidades necessárias. O terapeuta ocupacional procura reabilitar e/ ou capacitar, através do recurso a actividades do agrado do cliente, com as quais o mesmo esteja familiarizado ou para as quais tenha particular apetência, nomeadamente jogos, realização de trabalhos diversos ou outras actividades de lazer ou produtivas que proporcionem satisfação à pessoa. O limite é a imaginação.

Um trabalho conjunto com os cuidadores

Para além de intervir junto da pessoa idosa, o terapeuta ocupacional tem também um papel importante a desempenhar no aconselhamento dos cuidadores informais, nomeadamente os familiares mais próximos. Alguns aspectos relevantes deste aconselhamento incluem, entre outros:

– Como realizar transferências e posicionamentos em segurança (no caso de pessoas com mobilidade reduzida)

– Como promover a segurança, prevenção de quedas ou protecção articular em casa;

– Como criar e implementar rotinas que permitam uma organização facilitada e estruturada da vida diária;

– Como estimular a capacitação da pessoa, mantendo o foco nas suas capacidades em vez de nas limitações;

– Como estimular e lidar com a pessoa com demência;

– Estratégias para evitar a exaustão do cuidador

Abrir as portas de casa a um terapeuta ocupacional é um passo fundamental para proporcionar à pessoa idosa um envelhecimento com qualidade, sentimento de competência, resistência à frustração, segurança e motivação para viver. Para os cuidadores, esta pode ser uma das chaves para aliviar a pesada carga física e emocional que carregam. Razões mais que suficientes para que estes profissionais sejam integrados nas estratégias municipais e nacionais de promoção da saúde.

Se sente ou tem um familiar com dificuldades em realizar as actividades do dia-a-dia, contacte-nos. Podemos ajudar.

Leave a Comment

Partilhe :)